DR. PAULO ROBERTO SILVEIRA

VIVO DE AJUDAR AS PESSOAS  A AMENIZAREM  OS SOFRIMENTOS  DO CORPO E DA ALMA.

Textos

O EREZINHO
O EREZINHO

Isto foi num fim de semana, num domingo de um plantão que terminava às 8h da manhã. Saindo do hospital, passei na casa do Adilson — um conhecido nosso de muitos anos, bombeiro hidráulico de nossa confiança, com quem só pudemos agendar para o domingo um conserto na cozinha lá de casa  — e fomos para a Tijuca, onde eu morava. Até chegarmos, já eram quase onze da manhã, e minha esposa Zélia veio nos contar uma história curiosa, que lhe acontecera naquela manhã mesmo.

Ela estava na cozinha, terminando de tomar o café, quando percebeu que a casa estava suspeitamente muito calma. Temos dois filhos. Um menino, então com 13 anos de idade, e uma menina, na época com oito. “Ele deve estar no play, andando de bicicleta, com seu amigo, e ela no apartamento da coleguinha do oitavo andar”, raciocinou Zélia, para explicar para si mesma aquele silêncio, que seria impensável se as crianças estivessem em casa. Mal cogitou isto, ouviu uma animada conversa de meninos, que vinha do corredor, fora do apartamento, e imaginou que poderia ser nosso filho e algum coleguinha. De fato, a porta da cozinha abriu-se estrondosamente (ah! adolescentes...) e efetivamente ele entrou, acompanhado de outro menino, que aliás era um amigo inseparável, na época. Logo atrás deste, vinha uma terceira criança, também bastante animada, com um sorrisão estampado na face. Era um meninho negro, mais baixo que os outros dois, e aparentemente mais novo. Vestia uma calça branca, listrada de vermelho, e camiseta também branca. Um gorro vermelho (ou um boné?) lhe cobria a cabeça, e ele se movia com surpreendente leveza. Os três foram para a sala, onde estava um dos computadores (cada um dos meus dois filhos tem seu próprio computador, senão já viu, né...).

— Era a primeira vez que eu via aquele menino — contou Zélia — mas não titubeei e preparei também para ele o lanche que eu sabia que os outros dois adoravam.

Zélia dirigiu-se triunfante para a sala, levando três pedaços quentinhos de pizza e três copos grandes de refrigerante estupidamente gelado, mas ao entrar percebeu que alguma coisa não estava certa...

— Deparei com dois meninos, apenas. Nosso filho e seu amigo já conhecidíssimo da casa.

Atônita, perguntou pelo novo amiguinho.

— Que novo amiguinho, mãe? — espantou-se nosso menino.

— Ué, o garoto que estava com vocês ! Um garoto negro, de calça branca, gorro vermelho...

— Não viaja, mãe — troçou nosso garoto

— Só entramos nós dois aqui, Tia, não tem mais ninguém — aparteou o amigo.

Zélia conta que, então, deixou o lanche lá e saiu da sala, desorientada.

— Quem seria aquele menino? — comentou comigo e Adilson, que já era de casa e parou o serviço por instantes, enquanto escutava a história toda — Meu Deus, eu tenho certeza de que o vi entrar junto com os dois, não tenho dúvida alguma, mas onde ele foi parar?

Adilson, que até ali escutava atento e sério, abriu um sorrisão e falou:

— Fique tranquila, Dona Zélia, agora a casa tá limpa e bem protegida...

Dessa vez quem não tinha entendido era eu:

— Como assim, Adilson?

— É um erê, Dr. Paulo, um erezinho.

— E o que é isso? — interpelou Zélia.

— Um espírito de criança. Um inocente que morreu ainda menino, e que anda por aí, procurando ajudar os outros a se livrar dos males do mundo. Possivelmente sua casa estava cheia de presenças ruins, espíritos obsessores, coisa assim, e o erezinho limpou!

Entreolhamo-nos, Zélia e eu, sem saber o que dizer. Efetivamente estávamos enfrentando juntos uma fase difícil. Fosse o que fosse, se viesse a acalmar as coisas, seria bem vindo... Conversamos mais um pouco, Adilson terminou o seu trabalho, paguei a ele e o bom homem foi embora.

Realmente, nos dias seguintes as coisas pareceram ajeitar-se. Conseguimos superar aquele momento e tudo o que ele trazia de desagradável ficou pra trás. Depois de uns 15 dias, com tudo mais calmo, lembrei-me daquele incidente, em que Zélia vira entrar na sala, com os meninos, um pretinho que não estava com eles. Resolvi dar uma pesquisada na Internet, em busca de dados sobre erê. Depois de perambular aqui e ali, confirmei que, para certos ramos do sincretismo religioso da umbanda, erês são espíritos de crianças que, por sua inocência e agitação, limpam os lugares de más influências e de espíritos malévolos que porventura os estejam influenciando. A palavra erê significaria criança, em yorubá, língua sagrada para os ritos afro-brasileros.

“Será que devo considerar esses problemas que nos afligiam como patrocinados por... espíritos obsessores?”, perguntei-me, entre o incrédulo e o perplexo. “Será que a superação daquilo tudo foi mesmo resultado da visita benfazeja de um espírito de criança?” Fiquei sem resposta. Naveguei um pouco por aquele mar de sites, verbetes e definições, e já ia sair da Internet, quando resolvi entrar num último endereço: um blog de um estudioso das religiões, onde localizei um artigo exatamente sobre os erês. Ele definia a coisa de um modo ligeiramente diferente, mas igualmente encantador. Segundo dizia esse especialista, em outros ramos da umbanda, assim como nas linhagens do candomblé mais tradicional, erê não é um espírito, mas um princípio. Segundo esse estudioso, em Yorubá, erê não significa criança, como muitos acreditam (para o que palavra certa seria omodé), mas quer dizer brincar. Em última análise, refere-se ao aflorar da criança que cada um tem em si mesmo, importante e fundamental no quadro de iniciação a esses ritos.

Fiquei pensando o quanto aquilo fazia sentido. Podia ser uma dica da psique, percebida pela sensibilidade de minha esposa. Talvez estivéssemos mesmo precisando de alguma “infantilidade”, alguma alegria pura, limpa, zerada mesmo, para podermos enfrentar aqueles problemas que nos preocupavam tanto. Talvez precisássemos deixar aflorar a criança em nós mesmos, para que pudéssemos responder com pureza de propósitos e clareza de espírito àqueles desafios que se nos impunham naquele momento. E esse aflorar foi estimulado exatamente pela presença alegre e barulhenta de nossos filhos e seus amigos, zanzando pela casa, com aquela agitação toda, renovadora e contagiante, deitando por terra qualquer estagnação, e suscitando-nos novos olhares e outros horizontes.

Se a ideia de um espírito criança era poética e nos encantava, fortalecendo-nos e animando-nos, a de um aflorar da criança interior, da alegria pura e simples, trazia-nos confiança e induzia-nos saudavelmente a buscar em nós mesmos as soluções de nossos problemas. Não havia porque escolher. Agradecidos e felizes, optamos por ficar com as duas explicações.










PAULO ROBERTO SILVEIRA
Enviado por PAULO ROBERTO SILVEIRA em 12/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras