DR. PAULO ROBERTO SILVEIRA

VIVO DE AJUDAR AS PESSOAS  A AMENIZAREM  OS SOFRIMENTOS  DO CORPO E DA ALMA.

Textos

A SALA DOS PASSOS PERDIDOS
A SALA DOS PASSOS PERDIDOS

Esta aconteceu na sala dos passos perdidos do Hospital Estadual Getúlio Vargas. Sala dos passos perdidos é uma expressão utilizada pela maçonaria, mas que foi copiada do parlamento inglês, onde havia uma antecâmara na qual o cidadão esperava ser atendido e aguardava pelas decisões dos despachos relativos a assuntos de seu interesse, às vezes recebendo más notícias. Normalmente a ansiedade fazia com que os peticionários ficassem andando sem destino, de um lado para o outro, preocupados ou ansiosos.  Daí qualificação de passos perdidos.  Eram passos que não levavam a lugar nenhum
Ali, no Hospital Getúlio Vargas, para quebrar a tensão, e de pura brincadeira, batizamos com este nome um corredor que ficava estrategicamente localizado entre as três salas de atendimento de emergência do Hospital: a das crianças, a dos homens e a das mulheres, tendo ao fundo a sala de repouso, onde os pacientes ficavam às vezes dias aguardando vaga nas enfermarias, nos andares superiores , pois a emergências ficava localizada no andar térreo. Era ali a nossa sala dos passos perdidos, onde às vezes aguardávamos pelo inesperado, durante o plantão de emergência, no qual tudo pode acontecer a qualquer momento. E o fazíamos num papo animado e descontraído, para aliviar a tensão e estarmos prontos para qualquer acontecimento.
Certa vez, durante um desses tensos intervalos na nossa sala dos passos perdidos, estávamos eu e um grupo de especialistas  jogando conversa fora, num, papo animado e descontraído, para relaxar um pouco, quando de repente um homem destacou-se daquele mundo de gente que circulava no Getúlio Vargas. Aparentava ter algo em torno dos 35 anos de idade, lúcido, tranquilo, orientando-se com marcha neurológica atípica, e dirigiu-se decidido a nosso grupo:
— Bom dia! Qual dos senhores é o Dr Paulo Roberto Silveira, o neurocirurgião da equipe?
Mais que depressa me apresentei!
— Sou eu, meu senhor — apresentei-me. E  com uma pontinha de vaidade perguntei:
— O senhor, por acaso, é algum paciente que eu operei?
— Não senhor doutor — retrucou o bom homem — eu sou aquele paciente cujo caso, apesar de grave, e de os médicos das outras equipes insistirem que era de operação , o senhor afirmou, resoluto,  que não era cirúrgico. Que seria resolvido com o tratamento medicamentoso adequado, que o senhor mesmo me prescreveria!
Eu me lembrava dele. Havia sido objeto de uma polêmica, na qual fiquei em minoria, justamente por ter a certeza de que ele não precisava e nem deveria ser operado. Mas ganhei a discussão e agora ele parecia ser a prova viva de que eu estava certo. Mas era preciso me certificar daquilo antes.
— Sim, meu senhor, eu me lembro! E como o senhor está?
— Estou ótimo! Segui certinho o tratamento que o senhor me recomendou, tomei todos os remédios que o senhor receitou e fiquei bom. Vim aqui só para o senhor ver que tinha razão, que estou curado! Vim para agradecê-lo, Doutor! Muito obrigado, e que Deus conserve a sua competência, inteligência e dedicação aos pacientes!
Dito isto, ele apertou bem forte a minha mão, sacudindo-a efusivamente, e foi embora.
Ficou aquele silêncio quase sepulcral na sala dos passos perdidos, quebrado apenas pelo burburinho cotidiano do Hospital. Interrompi aquela calmaria simulando impertinência, e num gesto caricatamente presunçoso, poli as unhas na roupa, o olhar “perdido no infinito”, e mandei essa:
— É... quem sabe das coisas se antecipa aos problemas...
Ficaram todos me olhando sem saber como me dar um troco. Mas um deles resolveu rapidamente o problema:
— Só podia mesmo ser um doente que o Paulão não operou! Todo mundo que ele opera ou morre, ou fica troncho ou maluco...
Mentira. Pura implicância. E olhem que ali na sala dos passos perdidos eram todos meus amigos, hein...



















PAULO ROBERTO SILVEIRA
Enviado por PAULO ROBERTO SILVEIRA em 12/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras